Tema Geral: “Riscos, Sociedade e Segurança”               Data: 29 a 31 de Maio de 2009                    Local: Coimbra
Cartaz Programa
Apresentações Painel 1: Riscos e Catástrofes Naturais
Autor(a): Apresentações:
António Guilherme Raposo GEOTERMIA, RISCOS E IMPACTES AMBIENTAIS. UM EXEMPLO DA EXPLORAÇÃO DE ENERGIAS ALTERNATIVAS ASSOCIADAS AO VULCANISMO142509296
Romeu Vicente et. al. AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DE EDIFÍCIOS ANTIGOS E DO RISCO SÍSMICO À ESCALA DO CENTRO HISTÓRICO
Margarete Amorim e Ana Monteiro EPISÓDIOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO E A FRAGILIDADE DOS AMBIENTES URBANOS. EXEMPLOS DE PORTUGAL E DO BRASIL
Marina Catellano e Lucí Nunes AVALIAÇÃO ESPÁCIO-TEMPORAL DAS PRECIPITAÇÕES EXTREMAS E SEUS IMPACTOS NO MEIO URBANO: UM CASO BRASILEIRO
Jorge Marques e Sílvia Antunes A PERIGOSIDADE NATURAL DA TEMPERATURA DO AR EM PORTUGAL CONTINENTAL: A AVALIAÇÃO DO RISCO NA MORTALIDADE 
Vanda Pires et. al. RISCOS DE SECAS EM PORTUGAL CONTINENTAL
Paula Leitão BREVE DESCRIÇÃO DOS TORNADOS QUE OCORRERAM EM PORTUGAL
Paulo Pinto PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES
Florie Giacona e Brice Martin MEDIUM-HIGH MOUNTAIN APPROACH TO AVALANCHE RISK. THE CASE OF THE VOSGES RANGE (ALSACE, FRANCE)
Ilda Simões et. al. EPISÓDIOS DE NEVE EM PORTUGAL. NOVEMBRO 2008 A FEVEREIRO 2009
R. Ansel et. al. FORGOTTEN DISASTER OR MASTERED RISK ? GEO – HISTORICAL APPROACH OF FLOOD RISK IN URBAN AREA. EXEMPLE OF MULHOUSE (ELSASS, FRANCE)
Nuno Moreira et. al. CHEIAS DE 18 DE FEVEREIRO DE 2008 EM PORTUGAL – UM CASO DE ESTUDO
Adélia Nunes EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL
Francisco Silva Costa O RISCO DE INUNDAÇÃO NO RIO TÂMEGA. UM CONTRIBUTO METODOLÓGICO PARA O ESTUDO DAS CHEIAS EM AMARANTE
Salvador Almeida e Carla Bastos PLANO MUNICIPAL ESPECIAL DE CHEIAS DE V. N. GAIA (ÁREA DE INFLUÊNCIA DO RIO DOURO)
António Pedrosa CONTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA PARA O ESTUDO DOS RISCOS NA SERRA DO PILAR, V. N. DE GAIA
Apresentações Painel 2: Riscos e Catástrofes Antrópicas
Autor(a): Apresentações 
João santos e Mário Talaia CATÁSTROFES INERENTES AO USO DE ARMAS QUÍMICAS
Luís Neri e Paulo Afonseca A NECESSIDADE DA COMUNICAÇÃO EM SITUAÇÃO DE PLENA MANIFESTAÇÃO DE RISCOS. A COORDENAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE SOCORRO NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA E A IMPORTÂNCIA VITAL DAS COMUNICAÇÕES
Antonio Sarti e Magda Adelaide Lombardo AQUECIMENTO GLOBAL, RISCOS AMBIENTAIS NAS CIDADES E FLORESTA URBANA
Magda Adelaide Lombardo VULNERABILIDADE DAS CIDADES ANTE RISCOS DECORRENTES DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS
Jorge Lameiras PLANEAMENTO ALIMENTAR NA REDUÇÃO DAS VULNERABILIDADES E MELHORIA DA CAPACIDADE DE RESPOSTA MUNICIPAL EM EMERGÊNCIA CIVIL
Natália Vara e Cristina Queirós BURNOUT. UM RISCO NO DESEMPENHO E NA SATISFAÇÃO PROFISSIONAL DOS BOMBEIROS QUE TRABALHAM NA EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR 
Pedro Silva e Mário Talaia RISCOS NO MERGULHO DE PROFUNDIDADE
Helena Simões e Mário Talaia ÍNDICES PMV E PPD NA DEFINIÇÃO DA “PERFORMANCE” DE UM AMBIENTE
Nelson Dias et. al. DIVULGAÇÃO DE PATRIMÓNIO GEOLÓGICO: UM RISCO PARA A SUA CONSERVAÇÃO?
José Andrade e Maria Cordeiro O RISCO DA MATA NACIONAL DE LEIRIA “PINHAL DO REI” PASSAR A SER GERIDA POR PRIVADOS
Lucí Hidalgo Nunes COMPREENSÕES E AÇÕES FRENTE AOS PADRÕES ESPACIAIS E TEMPORAIS DE RISCOS E DESASTRES
Apresentações Painel 3: Riscos e Catástrofes Mistas
Autor(a): Apresentações 
Maria Ramalho CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/ RN – BRASIL
João Santos RISCOS DE EROSÃO COSTEIRA NAS IMEDIAÇÕES DE ESPINHO. ACÇÃO NATURAL E ACÇÃO ANTRÓPCA
José Nunes André et. al. RECUO DA LINHA DE COSTA. DEFENDER OU RECUAR?
Bruno M. Martins  DESERTIFICAÇÃO, EROSÃO E PAISAGEM EM SÃO VICENTE E SANTO ANTÃO (CABO VERDE) 
Emanuel Fidalgo e Orlando Rodrigues SUSCEPTIBILIDADE DE DESCARRILAMENTO ASSOCIADO A MOVIMENTOS DE VERTENTE E/OU COLAPSO DE INFRA-ESTRUTURAS NO TROÇO DA LINHA DO DOURO NO CONCELHO DE BAIÃO
Setéfano Seneme Cobbi et.al. MAPEAMENTO DE RISCOS NA PLANÍCIE SEDIMENTAR DE UBATUBA-SP
Sílvia Ortigoza e Magda Lombardo ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO
Teresa Rodrigues A ESTRATÉGIA INTERNACIONAL DA REDUÇÃO DE RISCO DE DESASTRES
G. J. Pellegrina et. al. ELABORAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS PARA EVENTOS SEVEROS
Ana Paula Bruno MÉTODO DE ANÁLISE DE RISCO DE INCÊNDIOS EM FAVELAS: UMA ABORDAGEM
Susana Freiria e Lúcio Cunha AVALIAÇÃO DOS RISCOS. UM INSTRUMENTO NECESSÁRIO NO PROCESSO DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO
Tiago Oliveira RISCO E GESTÃO FLORESTAL – UMA OPORTUNIDADE PARA EFICIÊNCIA
Salete Carvalho A FLORESTAÇÃO DO PERÍMETRO FLORESTAL DA SERRA DO MARÃO E MEIA VIA E A GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL
Paulo Carvalho INFRA-ESTRUTURAS DE DADOS ESPACIAIS APLICADAS À GESTÃO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS
Rui Fernandes e Mário Talaia DIAGNÓSTICO DAS CARACTERÍSTICAS DO VENTO A PARTIR DE UMA CARTA METEOROLÓGICA DE SUPERFÍCIE
Amilton Amorim et. al. UTILIZAÇÃO DO CADASTRO TERRITORIAL MULTIFINALITÁRIO NA GESTÃO DE RISCOS
Apresentações Painel 3: Riscos e Catástrofes Mistas
Autor(a): Apresentações 
António Bento Gonçalves A DESESTRUTURAÇÃO DO MUNDO RURAL EM ÁREAS DE MONTANHA E O RISCO DE INCÊNDIO. O CASO DA SERRA DA CABREIRA (VIEIRA DO MINHO)
Vítor Quintanilla LOS RIESGOS DE INCENDIOS FORESTALES EN LA ZONA MEDITERRANEA DE CHILE: UN CASO DE PERTURBACION AMBIENTAL PERMANENTE.
Flora Leite et. al. A RECORRÊNCIA DOS INCÊNDIOS NA SERRA DA CABREIRA COMO MANIFESTAÇÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL
Luciano Lourenço e Carla Neves PLENAS MANIFESTAÇÕES DE RISCOS E POSTERIOR REABILITAÇÃO DAS ÁREAS AFECTADAS. EXEMPLOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ALVA
Diana Vieiera et. al. LEVANTAMENTO E MODELAÇÃO DA EROSÃO DO SOLO NUMA ÁREA FLORESTAL RECENTEMENTE ARDIDA EM AÇORES, CENTRO-NORTE DE PORTUGAL
Lourdes Bugalho e Luís Pessanha ANÁLISE DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS EM PORTUGAL E AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE RISCO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS ICRIF
João Rocha et. al. RISCO DE IGNIÇÃO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS EM LINHAS DE CAMINHO DE FERRO
Miguel Castillo S. et.al. ANÁLISIS DEL RIESGO Y VULNERABILIDAD CONTRA INCENDIOS FORESTALES EN ÁREAS DE INTERFAZ, PROVINCIA DE VALPARAÍSO. ESTUDIO DE CASOS
António Vieira et. al. RISCO DE INCÊNDIO EM ÁREAS DE INTERFACE URBANO-RURAL: O EXEMPLO DO VALE DO AVE
Paulo Carvalho et.al. INTERFACE URBANO FLORESTAL. O CASO DA SERRA DA BOA VIAGEM (FIGUEIRA DA FOZ)
Valente Ferreira e Mário Talaia DESCONFORTO/STRESS TÉRMICO NO COMBATE A INCÊNDIO FLORESTAL. UMA AVALIAÇÃO NUM CASO DE ESTUDO
Romero Bandeira et.al. RISCOS DE FUMOS DE INCÊNDIO. ACTUALIDADE E CONTROVÉRSIA NAS INTOXICAÇÕES
Felipe Sodré et. al. DINÂMICA ATMOSFÉRICA E SAÚDE RESPIRATÓRIA EM DUQUE DE CAXIAS, RIO DE JANEIRO
Hugo Satirno et.al. OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NO PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE INFRAESTRUTURAS DE PREVENÇÃO E SUPRESSÃO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS, CASO DE ESTUDO: CONCELHO DA SERTà